Guterres, Mnangagwa e Macron reagem às supostas decapitações e afirmam compromisso em apoiar Moçambique na crise humanitária